ESDE – A Origem

Por Salomão Jacob Benchaya (*)

Conta Maurice Jones que, ao assumir a presidência da Sociedade Espírita Luz e Caridade (SELC), em 1968, uma das primeiras decisões que tomou foi a de compor um grupo para o estudo metódico das obras de Allan Kardec. Selava-se, aí, a vocação, na época pioneira, da instituição espírita que, mais tarde, seria a geradora da campanha de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE).

A SELC já mantinha, na década de 70, grupos permanentes de estudo metódico do Espiritismo e que adotavam os programas do COEM – Centro de Orientação e Estudo da Mediunidade – exitosa iniciativa do Centro Espírita Luz Eterna, de Curitiba. Com o tempo, a SELC elaborou seus próprios programas e sua experiência com grupos de estudo constituiu-se no laboratório da campanha que seria lançada pela FERGS.

Recordo que, certa noite, após uma reunião doutrinária, conversávamos o Jones e eu, sobre a lacuna existente no movimento espírita, relativa ao estudo doutrinário, lamentando que as casas espíritas descurassem do que seria sua atividade essencial – o estudo -, dedicando suas energias a tarefas menos prioritárias.

Em 1978, Maurice Herbert Jones assumira a presidência da Federação Espírita do Rio Grande do Sul e me convidara para assumir o Departamento Doutrinário.

Em 26.06.78, em reunião mediúnica do Conselho Executivo da FERGS, o espírito Angel Aguarod, imigrante espanhol que, quando encarnado, fora presidente da FERGS, manifestando-se, pela psicografia de Cecília Rocha, então Diretora do Departamento de Evangelização Infanto-Juvenil da federação, afirmou, em determinado trecho: “Reiterando despretensiosa sugestão, recomendaríamos uma grande campanha, para usar nomenclatura moderna, em torno da importância do estudo das obras básicas da Doutrina Espírita”. Nos comentários que se seguiram à comunicação, lembro-me de haver dado a sugestão, prontamente aceita, de se adotar metodologia semelhante à empregada na então chamada “evangelização infantil” e que consistia na elaboração de Planos de Aula pela Federação, remetidos pelo correio às sociedades federadas e, até mesmo para outros Estados. Assumi o compromisso de esboçar um plano a ser apresentado ao Conselho Executivo. Não havia dado atenção à expressão “reiterando despretensiosa sugestão”, de Aguarod, até que, dias depois, folheando exemplares antigos da revista “A Reencarnação” (agosto/76), da FERGS, deparei-me com a mensagem “Integridade Doutrinária”, do mesmo Espírito, recebida em 28.04.76. Ali, efetivamente, já havia a recomendação explicita de Aguarod para “o estudo de um plano amplo no sentido de esclarecer os mais responsáveis pela dinamização do movimento espírita, da importância do estudo, da interpretação e da vivência do Espiritismo.”

A FERGS possuía um documento orientador denominado “Normas para os Trabalhos do Departamento de Assistência Espiritual da Sociedade Federada”- anos mais tarde substituído pelo “Orientação ao Centro Espírita”, do CFN-FEB -, contendo um capítulo dedicado à “Sessão de Estudo da Doutrina”, que pouquíssimas casas promoviam. Quando muito, os Centros Espíritas mantinham sessões públicas doutrinárias. Aproveitando as ideias ali contidas, com a equipe que me assessorou, elaboramos um plano envolvendo a montagem de programas de estudo, confecção de roteiros a serem enviados às Casas, treinamento de dirigentes (coordenadores) e estratégias de informação e sensibilização das lideranças espíritas, propaganda, etc. Esse plano, apreciado e aprovado pelo Conselho Executivo, foi apresentado ao Conselho Deliberativo Estadual da FERGS, em 22.07.78, que o aprovou, ato que oficializou o lançamento da Campanha no Estado do Rio Grande do Sul.

Jones integrava o Conselho Federativo Nacional da FEB, ainda quando aquela entidade tinha sede no Rio de Janeiro e, depois, quando transferida para Brasília, tendo, por diversas vezes, insistido para que, a exemplo do Rio Grande do Sul, a FEB lançasse idêntica campanha em âmbito nacional. Havia, entretanto, uma surda resistência de parte da maioria dos representantes estaduais. Finalmente, face às pressões de Maurice Jones, Francisco Thiesen, Presidente da FEB, na reunião de 6 de julho de 1979, desafiou Jones a apresentar uma proposta oficial de campanha. Um ano depois, a FERGS apresentava um projeto concreto “a um Conselho nitidamente desinteressado pelo assunto”, segundo observa Jones. Vários representantes de Federações sugeriram que se adiasse a decisão para outro momento, o que forçou o representante da FERGS a exigir do Presidente que colocasse a proposta em votação, “mesmo com o risco de vê-la desaprovada”. Argumentou Jones, na oportunidade, que não podia entender aquela surda resistência a uma Campanha de Estudo do Espiritismo em um movimento que já desenvolvia uma intensa Campanha de Evangelização Infanto-juvenil. Finalizou dizendo aguardar a votação, que era aberta, pois apreciaria conhecer e registrar para a história quais os dirigentes de Federações Estaduais que se atreveriam a reprovar uma campanha objetivando estimular o estudo do Espiritismo.

Foi nesse clima e sob essa estratégia que a proposta gaúcha terminou aprovada pela unanimidade dos representantes presentes em Brasília, naquele domingo, 6 de julho de 1980. Só mais tarde a campanha foi oficialmente lançada, com roteiros reelaborados pela FEB. O lançamento oficial da Campanha pela FEB ocorreu em 27.11.83, com roteiros, cartazes e, ainda o aval mediúnico de Francisco Spinelli e Bezerra de Menezes.

(*) Trecho do livro “Da Religião Espírita ao Laicismo: a trajetória do Centro Cultural Espírita de Porto Alegre”, acessível em https://ccepa.org.br/wp-content/uploads/2021/08/2006-Da-Religia%CC%83o-Espirita-ao-Laicismo.pdf
 

Compartilhe
Total
0
Shares